sábado, 14 de janeiro de 2017

Taperuçu-velho











Fonte:http://www.wikiaves.com.br/



O taperuçu-velho, também conhecido como andorinhão-velho e andorinhão-de-cascata, é uma ave apodiforme da família Apodidae. Nome Científico Seu nome científico significa: do (latim) kupselos = andorinha; e oidës = semelhante, aquele que parece com; e do (latim) senex = velho, com cabelos brancos, ranzinza. ⇒ (Ave) semelhante a uma andorinha velha.

  Características

Comprimento total: 18 centímetros (Sick 1993, Chantler 2000). Comprimento da asa : média de 160,5 ± 2,5 milímetros comprimento da cauda: média 46,0 ± 1,5 milímetros comprimento do tarso: média de 20,47 ± 0,05 milímetros Massa: significa 99,8 g (faixa de 86,1-110 g, n = 33, sexos combinados, Argentina; Dunning 2007) significa 67,8 g (faixa de 56-80 g, n = 8, sexos combinados, Brasil; Dunning 2007)

  Hábitos

Vivem às centenas, próximo de quedas d’água, sobre as quais voam. Durante o dia caçam voando alto sobre as matas.

  Distribuição Geográfica

Ocorre em Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Goiás, Bahia, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Espécie facilmente vista próxima às famosas Cataratas do Iguaçu, na cidade de Foz do Iguaçu - Paraná, divisa com a Argentina. Também ocorre no Paraguai e Argentina.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Taperuçu-de-coleira-branca












Fonte:http://www.wikiaves.com.br/




O taperuçu-de-coleira-branca é uma ave apodiforme da família Apodidae. Também conhecido como andorinhão e andorinhão-de-coleira. Nome

  Científico

 Seu nome científico significa: do (grego) streptos = colar; e Prokne = aquela que foi transformada em andorinha; e do (latim) zonaris, zona com origem no (grego) zönë = cinto, faixa, banda. ⇒ Andorinha com faixa no colar.

  Características

Mede cerca de 21 centímetros. Os taperuçus têm pés muito reduzidos que os impedem de pousar em fios de eletrificação ou galhos, como o fazem as andorinhas. Esta é a maior espécie da família e sua velocidade de voo pode alcançar 100 quilômetros por hora.

  Alimentação

 Alimenta-se basicamente de insetos, capturados em voo.

  Reprodução

O ninho, de fibras vegetais, musgos e pedrinhas aglutinadas com barro e saliva é fixado em paredões e escarpas de pedras ao redor de cascatas, grutas úmidas e escuras. O casal incuba e alimenta os filhotes.

  Hábitos

 Sempre sobrevoando florestas, campos e cidades. Quando o céu esta nublado ou está chovendo voltam para o esconderijo, saindo rapidamente um por um quando o sol aparece. Sobrevoa incêndios florestais ou em pastagens a procura de alimento.

  Distribuição Geográfica

Segundo Sick (1997) ocoorre em todo Brasil, faltando em regiões planas.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Gavião-de-penacho









Fonte: http://www.wikiaves.com/



Características

O gavião-de-penacho é uma ave de grande porte, medindo de 58 a 67 centímetros. Os machos podem pesar cerca de um quilo e as fêmeas, um quilo e meio. Em sua coroa possui um conjunto de penas que medem até 10 centímetros e formam um penacho preto. As laterais da cabeça, nuca e peito são castanho-avermelhadas, com a garganta, o ventre e os flancos brancos, com barras irregulares negras. O dorso e as asas são marrom-pardacentos, quase negros. Suas canelas são emplumadas e a cauda longa apresenta três barras cinza-pardacentas.

  Alimentação

 Alimenta-se de várias espécies de aves, como araras, papagaios, maitacas, tucanos, cracídeos, macucos, inhambus, urus e pombas. Depois das aves, são os mamíferos as presas mais freqüentes: gambás, serelepes, quatis e porcos-espinho. Répteis, como grandes lagartos, são capturados em menor número. Mas pode se adaptar ao ambiente e às presas que encontra. Existe um registro de um ninho em uma área de transição mata atlântica/cerrado em Minas Gerais onde a principal presa eram micos (Callithrix sp.), abundantes na região

  Reprodução

Realiza voos de acasalamento um ou dois meses antes do início da postura dos ovos, quando a fêmea permanece em poleiros nas proximidades do ninho, construído no topo de árvores com alturas que variam de 16 a 30 metros, normalmente em bifurcação primária ou secundária, é uma imensa plataforma de galhos secos que ultrapassam 1 metro de comprimento e largura.. No Brasil, a época reprodutiva se inicia em agosto com os trabalhos de retoque do ninho. A postura é de único ovo, sendo incubado durante 48 a 51 dias. A fêmea fica responsável pela incubação no ninho sendo alimentada pelo macho, como acontece com outras espécies do gênero e outras águias de grande porte. O filhote abandona o ninho com mais de 80 dias, mas permanece no sítio reprodutivo e dependendo dos pais por, cerca de 15 meses, fazendo com que haja um intervalo de pelo menos dois anos entre uma reprodução e outra.

  Hábitos

É um gavião encontrado em florestas com alto grau de conservação ou com pouca alteração causada pelo homem. Também pode ser encontrado em clareiras, próximo de rios ou da borda da floresta. Como o gavião-de-penacho é uma espécie que vive a maior parte do tempo dentro da floresta, é ali também que vai caçar. Geralmente utiliza poleiros altos.

  Distribuição Geográfica

 Todo o Brasil e também do México à Argentina.

domingo, 23 de outubro de 2016

Peito-pinhão










Características

Mede entre 13 e 14 centímetros de comprimento e pesa entre 11 e 12,8 gramas. Apresenta a cabeça e as partes superiores de coloração cinza. Os lores são cinza escuro. Apresenta mancha sub-ocular branca conspícua. A garganta é branca. O peito apresenta larga faixa castanha que se estende pelos flancos. O ventre é branco. Cauda longa de coloração cinza, região subcaudal de coloração clara. As bordas das penas primárias são de coloração branca. O bico é curto e apresenta leve curvatura. Tarsos e pés cinza azulado.

  Alimentação

 Foi observado alimentando-se do arroz-de-taquara (Merotachys sp.) junto ao quete(Poospiza laterallis). Consta que também procura insetos nos arbustos de matas nebulares ou em capoeiras adjacentes. Pousa frequentemente ao lado de Stephanophorus diadematus. Registro da espécie também se alimentando das frutinhas da Pixirica (Miconia sp.)

  Hábitos

 Espécie meridional endêmica das serras altas, frequentemente encontrada em taquarais, principalmente durante a frutificação do arroz-de-taquara seu principal alimento.

  Distribuição Geográfica

 Ocorre nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Tovaca-de-rabo-vermelho








Fonte http://www.wikiaves.com.br/



A tovaca-de-rabo-vermelho é um ave passeriforme da família Formicariidae. Também conhecida como tovacuçu e capoeira-cachorro.

  Nome Científico

 Seu nome científico significa: do (grego) khamazë = sobre o solo; e do (latin) rufus = vermelho, castanho, avermelhado, marrom; e de cauda = cauda. ⇒ (Ave) do solo com cauda avermelhada ou (ave) com rabo vermelho que vive sobre o solo.

  Características

Mede 19 cm de comprimento. Apresenta as partes superiores da plumagem mais ruiva que a de seus congêneres.

  Alimentação

Alimenta-se de pequenos invertebrados como aranhas e insetos terrícolas, os quais encontra no folhiço da floresta.

  Reprodução

A primeira descrição do ninho da espécie foi feita por Zyskowski (2015). Este foi encontrado em uma cavidade natural de árvore com entrada vertical-elíptica, estando a 5 m de altura do solo. O interior era revestido com folhas de bambus (Chusquea sp.), folhas de árvores, fungos rizomórficos, gramíneas e um pedaço de celofane. Foram encontrados dois ninhegos com plumagem desenvolvida sendo alimentados pelos pais.

  Hábitos

E típica ambientes montanos, frequentemente substituindo seus congêneres entre 1000 e 2200m de altitude. Embora, pode ocorrer também em altitudes menores. A espécie passa a maior parte do tempo caminhando no solo - com leves movimentos na cauda - e pode empoleirar-se a baixa altura, onde entoa seu canto de sequência mais curta (Willis, 1992).

  Distribuição Geográfica

Endêmica da Mata Atlântica, ocorre na província de Misiones na Argentina (Navas & Bo, 1995) e no Brasil, de forma disjunta desde o nordeste do Rio de Janeiro até o nordeste de São Paulo e, do sul de São Paulo até o norte do Rio Grande do Sul (Sick, 1997).

domingo, 3 de julho de 2016

Cisqueiro










Fonte:http://www.wikiaves.com.br


O cisqueiro é uma ave passeriforme da família Furnariidae.

Nome Científico

 Seu nome científico significa: do (grego) klibanos = forno; e ornis = pássaro ou ave; e do (grego) dendrokolaptës = pica-pau; e de -oidës = semelhante. ⇒ Pássaro forno semelhante a um pica-pau.

  Características

Residente meridional pouco conhecido, de bico e pés fortes, cauda longa e rígida, garganta branca ornamentada lateralmente de penas com o ápice negro, longa e larga faixa esbranquiçada pós-ocular, vértice avermelhado. Asa: 8,8 centímetros; Cauda: 9,2 centímetros. Tem 20 centímetros de comprimento.

  Alimentação

 Como o próprio nome sugere, cisca pelo chão da mata à procura de alimentos, geralmente próximo à cursos d'água. Reprodução Os hábitos reprodutivos ainda não foram cientificamente descritos, mas supõe-se que a espécie construa ninhos em barrancos em meio a mata. Hábitos Ocorre em vários ambientes florestais acima de 800 m de altitude. Alguns autores consideram que aglomerados de bambu e matas ao longo de cursos d'água são o ambiente ideal, mas isto ainda não foi estudado mais detalhadamente e pode ser só coincidência (Birdlife International 2015). Embora seja considerada quase ameaçada, no nordeste da Argentina foi encontrada com frequência em ambientes degradados, principalmente em florestas com araucária em regeneração (Bodrati & Cockle 2006). Também, estes mesmos autores notaram que em florestas com araucária conservadas, a espécie foi raramente encontrada e sempre próxima a aglomerados de bambu (Merostachys claussenii, Poaceae).

  Distribuição Geográfica 

Restrita ao sudeste da América do Sul, é endêmica da porção meridional da Mata Atlântica. Sua distribuição abrange o nordeste da Argentina, sudeste do Paraguai e sul e sudeste do Brasil, neste último desde o extremo sul de São Paulo até o noroeste do Rio Grande do Sul (Birdlife International 2015). Não realiza movimentos migratórios.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Caminheiro-grande




  






Fonte: http://www.wikiaves.com.br/


O caminheiro-grande é uma ave passeriforme da família Motacillidae

  Nome Científico

Seu nome científico significa: do (latim) anthus = pequeno pássaro que habitava pastagens mencionado por Plínio, provavelmente (Motoacilla flava); e de nattereri = homenagem ao zoólogo austríaco e coletor de espécimes radicado no Brasil, Dr Johann Natterer-(1787–1843). ⇒ Pequeno pássaro das pastagens de Natterer.

  Características

Plumagem dorsal fortemente estriada de preto e amarelo e o ventre esbranquiçado. Destacam-se o bico, o tarso e os dedos bastante longos, além da unha hálux (dedo I), que chega a atingir 15 cm de comprimento (Sick, Ornitologia Brasileira, 1997) Como as demais espécies do gênero, emite cantos complexos enquanto realiza vôos altos, subindo quase verticalmente a cerca de 25m de altura do chão, e deixando-se cair rapidamente, emitindo uma série de notas nasais. Alimentação É basicamente insetívoro.

  Reprodução

 Hábitos reprodutivos…

  Hábitos

 Vive em campos pedregosos (Sick 1997), campos secos e pastagens, tendo sido observada em pastagens próximas ao reservatório de Furnas (Alfenas) e em Monte Belo. Ocorre às vezes ao lado de outras espécies congêneres, como registrado em Poços de Caldas (Sick).

  Distribuição Geográfica

 Ocorre de Minas Gerais a São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Raro e com distribuição pontual, A. nattereri é uma espécie seminômade muito pouco conhecida. Trata-se de uma espécie de difícil identificação e observação, contando com pouquíssimos registros atuais.